Urgtec Software para Protéticos

© 2020  copyrights by Urgtec LTDA

Parceiros

Siga-nos nas redes sociais

  • Instagram
  • Facebook
  • YouTube

Rua Jaguaré, 91 - Jaguaré - São Paulo - SP

05344-030

0800-878-0045 | 11 3297-9600

  • Urgtec

Impressora 3D – O digital se tornando real


A impressora 3D é uma máquina que materializa formas criadas por meio digital com precisão e rapidez. Literalmente funciona como um fabricante de objetos e nela vemos uma nova perspectiva sobre a fabricação de itens para os mais variados tipos de serviço incluindo para área de prótese como um todo.


Esse modelo de impressão é uma tecnologia de fabricação aditiva, ou seja, cria objetos a partir de modelos digitais produzidos em softwares CAD (Computer Aided Design), onde através de várias camadas, feitas uma a uma, é criado um modelo tridimensional completo. As aplicações mais comuns na fabricação aditiva são a de fusão a laser, fundição a vácuo e moldagem por injeção. A diferença entre esses tipos de fabricação está na forma que o objeto será criado. A fusão a laser utiliza energia a laser para fundir pontos metálicos, a fundição a vácuo produz protótipos em poliuretano e a moldagem por injeção é uma modalidade de baixo custo utilizado para produzir peças idênticas em bastante quantidade.


Na área médica essa ferramenta já é uma realidade auxiliando inúmeras pessoas com próteses de diferentes partes do corpo e permitindo que pessoas com má formação ou que por algum motivo tiveram membros amputados realizem atividades normalmente. Futuramente já há a promessa de que até órgãos serão reproduzidos a partir da impressão 3D aumentando mais ainda as possibilidades que essa tecnologia pode nos trazer.


Felizmente com o passar dos anos a impressão 3D está se tornando cada vez acessível, auxiliando algumas empresas em suas respectivas produções, porém a mesma tecnologia que nos traz tantos benefícios pode nos trazer também alguns problemas, como por exemplo modelos digitais de armas sendo espalhados para download pela internet. É de se esperar que por conta disso órgãos regulamentadores criem mais barreiras para o uso dessa inovação. O que resta é torcer para que esse empecilho não trave possíveis avanços futuros, principalmente voltados para área médica onde se há uma grande esperança para essa nova forma de produção de itens.